PERSPECTIVAS AMBIENTAIS E AS QUEIMAS FLORESTAIS

Estas são as estatísticas executivas do Mapbiomas e o INPE sobre os impactos florestais com o desmate no território amazônico onde se concentra um grande foco de perda vegetativa só na metade de 2020 localizado nos estados de Mato Grosso( 26%), Rondônia (19%), Amazonas (18%) , Roraima (4%) e Acre (1%). Esse é o reflexo de uma péssima gestão ambiental que já carrega os seus desastres desde 2019 onde os 75% dos infratores sendo grileiros e garimpeiros criminosos contabilizaram 90% de queimas em unidades de conservação que legalmente deveria ser protegidas pela lei, sem flexibilização.
O que deixa situação mais preocupante foi a pasta do Conselho Amazônia do presidente delegada ao vice Mourão para dar a resposta que o Salles não deu, enviado tropas militares para tentar sanar a situação.




O problema em você desmontar os ministério do meio ambiente com especialistas na área para colocar militares e o envio de tropas para o combate, não remedia o problema e cria uma solução de curto prazo, onde os infratores poderiam retornar e continua a criminalidade. 
Um incentivo que põe em risco as nossas florestas e também os povos indígenas. 

Blog Guilherme Dias

Nenhum comentário:

Postar um comentário